Volta e meia, aparecem animes que conseguem receber um destaque um pouco maior fora do circulo de fãs de animação japonesa. Existem vários exemplos de desenhos assim, sendo que o mais recente que me vem à mente foi Death Note.

Há algum tempo, eu tenho visto um pessoal comentando sobre Shingeki no Kyojin, ou Attack on Titan, que é nome ocidental do anime. Inicialmente, a única coisa que chamava atenção era a sua música de abertura e um vídeo que mostra como o tema do estágio do Guile, do Street Fighter 2, realmente casava com as imagens.

Abertura original
Abertura com a música do Guile (esse negócio realmente casa com tudo!)
Só que a animação me pareceu bem feita e o fato dele estar disponível no Hulu Plus um dia depois da exibição no Japão me fizeram assistir os 12 primeiros episódios do anime numa bordoada só. Será que Shingeki no Kyojin realmente vale o hype que está se formando?

A história

Shingeki no Kyojin conta a história da humanidade após o surgimento dos Titãs. Todo mundo tocava suas vidas do seu jeitinho quando, do mais absoluto nada, surgem gigantes que têm como objetivo FODER COM A PORRA TODA. Eles não têm um plano. Tem humano no lugar? Vamos destruir e comer todo mundo.

Attack On Titan

Para se defender dos praticamente invencíveis inimigos, a humanidade se refugia em cidades cercadas por enormes muralhas. Por mais de 100 anos, o que sobra da raça humana vai tocando sua vida, enquanto alguns soldados saem das fortalezas pra matar Titãs (um golpe certeiro na nuca resolve a parada. Caso contrário, os putos se regeneram e voltam a FODER COM A PORRA TODA).

Tudo segue o seu curso até que um Titã de tamanho colossal e outro mais forte que os normais abrem um buraco na muralha Maria, o primeiro front de proteção da humanidade. É ali que moram os três personagens principais de Shingeki no Kyojin:

Eren – moleque marrento que quer ser um soldado. Ele é mais força de vontade que qualquer outra coisa, mas ele acabará sendo chave para a batalha da humanidade contra os Titãs;
Mikasa – irmã adotiva de Eren. Ela vive para proteger o moleque, sendo que tem um talento absurdo para ser foda em tudo o que tenta;
Armin – melhor amigo de Eren e Mikasa. Apesar de não ser muito bom como soldado, é um gênio estrategista.

Eles vivem suas vidas até o ataque à muralha Maria. O pai de Eren some, sua mãe é comida por um Titã na sua frente e eles têm de se refugiar na muralha seguinte. É lá que eles resolvem virar soldados para lutar contra os gigantes.

Personagens de Attack On Titan

De maneira curta e grossa, esse é o plot principal de Shingeki no Kyojin: humanidade se fodeu, gigantes destroem tudo pela farra, três crianças perdem tudo devido ao ataque na sua cidade e resolvem lutar contra titãs.

A animação

Antes de qualquer coisa, já digo que não li o mangá no qual o anime é baseado. A minha experiência é exclusivamente baseada na animação, logo, se ele é melhor ou não será algo que você terá que descobrir por outra pessoa.

O que eu posso dizer é que, em grande parte dos episódios, Shingeki no Kyojin é muito bem feito. Em alguns momentos, tudo parece meio confuso, devido ao tipo caótico de ação que a história proporciona, mas ele ainda consegue ser emocionante quando precisa.

Titã

O meu único problema com a qualidade do desenho veio exatamente nas cenas de ação. Para derrotar os Titãs, os soldados utilizam lâminas especiais para acertar em um ponto específico da nuca dos gigantes. Como eles chegam lá? Com um equipamento baseado em cabos que grudam em construções e fazem com que eles se movam com mais agilidade.

Imagine como se eles tivessem as teias do Homem-Aranha, só que, em vez de elas saírem dos pulsos deles, saem de caixas presas nas coxas. Por ser um anime e utilizar os truques que diversas outras animações utilizam, a sensação de velocidade “massavéio” que é passada quando os soldados saem entre as casas e prédios incomoda, já que é fácil olhar e pensar “O que caralhos está acontecendo ali?”.

Mas e aí? Presta ou não?

No momento em que escrevo isso, assisti até o 13º episódio. Nesses treze capítulos, já foi explicado um pouco o passado dos personagens principais, assim como o grande primeiro arco, da batalha em Trost e o primeiro grande plot twist da história (não vou dar spoiler, mas é basicamente “vamos salvar a humanidade com esse novo bem bolado que temos em mãos”).

O desenho consegue prender a atenção e te deixa com vontade de ver o episódio seguinte, o que é muito importante. Shingeki no Kyojin tem uma história adulta que o deixa um pouco acima dos animes “violência massavéio”, mas ainda falta muito para ele ser chamado de excelente.

Shingeki-no-Kyojin

Ele certamente é divertido, mas é o tipo de história que precisa avançar rápido pra não se perder. A maneira como as coisas são contadas e se desenvolvem mostram uma puta brecha pra enrolação. Se Dragon Ball Z tinha disso (os cinco minutos que duravam 30 episódios), compensava na ESPETACULOSIDADE da coisa toda e por não se levar tanto a sério. Com SnK, o negócio não é bem assim.

O fato de não existir uma história decente (até agora isso não aconteceu) sobre os motivos pelos quais os Titãs matam humanos, ignorando completamente outras criaturas, me passa a impressão que a trama toda pode se desmontar com facilidade.

De qualquer forma, se você gosta de animes, por um acaso está em busca de algo novo para assistir e ainda não chegou perto disso aqui, Shingeki No Kyojin está com uma bela primeira metade (a previsão é que o anime tenha 25 episódios) pra você tentar a sorte. Vai na fé. Na pior das hipóteses, a trilha sonora dele é foda! =D

PS: Foi anunciada uma adaptação do anime para o PS3. Se resolverem colocar o esquema sensacional de webswing de alguns jogos do Homem-Aranha e juntarem com um sistema de batalha maneiro, vai dar um caldo foda! =D

Você já tá seguindo o Judão no Twitter, Facebook, Google+ e Tumblr?! Pois deveria. ;D