Discografia Judônica é o nome de uma série de matérias indicando álbuns clássicos – brasileiros e estrangeiros — de pop, rock clássico, metal, punk, indie, blues, jazz, soul, R&B, black music, MPB, eletrônico, rap, hip hop e tantos outros gêneros que você puder imaginar. O que tem de comum entre eles, no entanto, é que todos fizeram história de alguma maneira — e nós aqui do Judão achamos que você deveria ouvi-los de qualquer jeito! :-)

Esqueça a vida pessoal do cara, todas as fofocas e babados sobre sua relação com menores de idade, suas plásticas, seu processo de “embranquecimento” e demais bizarrices que preenchiam os tablóides ávidos por manchetes bombásticas. Esqueça até mesmo as circunstâncias de sua morte. Aqui, estamos falando do maior astro pop das últimas duas décadas e do disco mais vendido da história, que mudou a cara da música para sempre, sem exageros — e que completa 30 anos nessa sexta-feira, 30 de Novembro. Thriller, de Michael Jackson, tornou-se ícone da cultura pop, um fenômeno sem seguidores até hoje. Graças a este álbum, os videoclipes se tornaram verdadeiras ferramentas para promover os discos — e com o clipe da canção-título, Jackson abriu as portas da MTV para os cantores negros e, ao mesmo tempo, deu uma nova cara para a emissora musical, colocada definitivamente no mapa dos televisores estadunidenses. O cantor, de tão importante que se tornou, foi parar até na Casa Branca, onde apertou pessoalmente a mão do presidente.

Mas qual é o segredo de Thriller, você pode perguntar. Simples, camarada judônico. É a diversidade. É o pop em sua melhor forma, batendo num liquidificador um punhado de baladas românticas, alguns funkões dançantes e irresistíveis, uma ou outra faixa soul music bastante envolventes e sensuais, um simpático dueto com Paul McCartney (“The Girl Is Mine”) e até um hard rock, como é o caso da elétrica “Beat It”. Tem pra todos os gostos. Se até hoje as pessoas imitam o famoso “moonwalk” ou mesmo as coreografias do tipo “zumbi-desengonçado” do clipe de “Thriller”, é sinal de que Jackson fez alguma coisa muito certa para marcar gerações de maneira tão profunda e duradoura.

• Embora as informações das diferentes fontes oficiais sejam variáveis, estima-se que este disco vendeu cerca de 100 milhões de cópias ao redor do mundo.

• Thriller foi o primeiro álbum a figurar no primeiro lugar das paradas simultaneamente nos EUA e na Inglaterra.

• Sete das nove canções de Thriller foram singles que ficaram entre os top 10 das paradas de sucesso, incluindo a faixa-título, Beat It e Billie Jean.

• Mais números: Thriller é um de apenas três álbuns na história a permanecer entre os top 10 da Billboard 200 durante um ano inteiro.

• E tem mais: a bolacha ainda foi certificada 27 vezes com o disco de platina pela RIAA (Recording Industry Association of América), ganhando o status de “diamante duplo” nos EUA.

• Thriller só passou a integrar o Hall da Fama do Grammy em 2008.

• A maior parte dos músicos participantes do disco faziam parte da banda Toto.

• Michael Jackson e o produtor Quincy Jones, em sua segunda parceria musical, trabalharam em 300 canções para o disco, das quais apenas nove acabariam sendo eventualmente sendo usadas.

• Ao final das gravações, a relação entre os dois estava realmente estremecida. Jackson não ficou satisfeito com o resultado final, e acabou remixando uma a uma das canções.

• Embora tenha escrito e tocado a bateria de Beat It, quem toca as guitarras da faixa é Eddie Van Halen — que jamais informou sobre este trabalho aos seus colegas de banda até que o disco fosse efetivamente lançado.

Rod Temperton, que escreveu a faixa-título, queria uma pessoa famosa para declamar a fala final da canção – e logo pensou no ator Vincent Price, que completou seu trabalho em meros dois takes. O texto foi escrito por Temperton dentro de um táxi, a caminho do estúdio de gravação.

• Em 84, Thriller foi o recordista de estatuetas na cerimônia do Grammy Awards (8), incluindo a de “album do ano”. No mesmo ano, aliás, Jackson levou para casa três prêmios do MTV Video Music Awards e oito American Music Awards.

• Em 2008, a Epic Records lançou uma edição comemorativa do disco, Thriller 25, que traz sete faixas-bônus, a inédita “For All Time” e cinco remixes de Fergie, will.i.am, Kanye West e Akon – além do DVD com clipes e a histórica apresentação do cantor na festa da Motown.

• Esta última merece uma citação à parte: trata-se da festa de 25 anos da gravadora Motown, que rolou em 25 de Março de 83, e durante a qual Michael Jackson, ao cantar a canção Billie Jean, executou pela primeira vez o seu lendário “moonwalk”.

• Entre os artistas que se dizem nitidamente influenciados por Thriller, estão Mariah Carey, Usher, Britney Spears, Beyoncé Knowles e, é claro, seu grande seguidor, Justin Timberlake.

Tracklist

Wanna Be Startin’ Somethin’
Baby Be Mine
The Girl Is Mine
Thriller
Beat It
Billie Jean
Human Nature
P.Y.T. (Pretty Young Thing)
The Lady in My Life

Você já tá seguindo o Judão no Twitter, Facebook, Google+ e Tumblr?! Pois deveria. ;D