Nesta quarta-feira, dia 30 de janeiro, a Casa das Ideias publicou nos EUA o gibi Superior Spider-Man #2 (Marvel Comics, 32 páginas, US$ 3,99), a segunda edição da nova fase do Homem-Aranha – sim, aquela fase na qual o Doutor Octopus possuiu o corpo de Peter Parker, incluindo as memórias e os poderes do herói. Ler esta segunda edição, de certa forma, reforça as minhas opiniões sobre esse caminho escolhido pelo roteirista Dan Slott – além de mostrar que sim, a nova fase tem suas coisas boas.

A história, escrita pelo Slott e desenhada por Ryan Stegman, flui bem. Depois de se estabelecer como o “Superior Homem-Aranha” e fazer ~melhor~ o serviço de super-herói — valendo até um elogio do J. Jonah Jameson, Otto Parker (como já vem sendo chamado pelos fãs) passa a concentrar todos os esforços em dar uns pegas na Mary Jane. Como a mulher mais linda do Universo Marvel no álbum, é claro que o novo Peter vai querer repetir a figurinha. Até porque, das outras vezes, ele não era o mesmo cara. Literalmente.

O grande problema e AO MESMO TEMPO o melhor acerto do gibi é aquela besteira feita pelo Slott no final da primeira edição (lá vem o spoiler!): sabermos que o verdadeiro Peter Parker ainda tem sua própria consciência dentro do corpo de Otto Parker, vendo tudo o que ele vê e tendo ainda um certo peso nas decisões.

Por que isso funciona bem? Simples: Slott não inventa e nos traz o bom e velho Peter Parker representado nessa consciência fantasmagórica. A cada ação de Octopus ele faz um julgamento, um comentário ou uma reprovação ao estilo do Aranha das HQs clássicas. Essa dinâmica funciona bem e transforma o VERDADEIRO Homem-Aranha na real estrela do gibi — e não o tal do “Superior”.

Peter Parker, o fantasminha camarada, ao lado de Jameson e Otto Parker

Além disso, não deixa de ser bem legal a tentativa de reaproximação do falso Peter Parker na Mary Jane. Otto pensa como o velho cientista que é e na mente dele levar MJ para a cama é apenas o resultado de uma equação. Não é. Mulheres são complicadas e a ruiva é mais ainda.

Ainda assim, para os fãs das antigas, não deixa de ser legal ver o verdadeiro Parker falando que “ama a Mary Jane”. CASAMENTOKD?

No final das contas, Otto Peter é apenas um Otto Octavius se perfazendo de Homem-Aranha. Uma hora vão descobrir. E já tem gente nesse caminho…

Aí que fica o maior problema de Superior Spider-Man. Ao menos tempo que é bacana ver essa dinâmica entre a consciência fantasmagórica de Peter e Otto Parker, ela também deixa claro que a mudança tem data para acabar. O verdadeiro Homem-Aranha, uma hora, conseguirá reverter o processo e já ter gente desconfiada de alguma coisa apenas confirma isso. Ou seja, não dá pra ~curtir~ a nova fase. Fica na cara que é efêmero.

E eu nem entrarei em outras questões da troca de corpos, como já falei nas resenhas de Amazing Spider-Man #700 e Superior Spider-Man #1. São coisas que mancham a nova fase.

Outro detalhe negativo é que a arte de Stegman caiu um pouco de qualidade neste gibi em relação à edição anterior. O traço parece agora com ter “quê” de Humberto Ramos.

Vamos ver onde tudo isso vai dar, mas parece que Dan Slott realmente encarnou o próprio Homem-Aranha em seu trabalho. Mesmo quando faz algo legal, faz uma merda também.

Ah, sim: Superior Spider-Man #2 está disponível para compra no Marvel.com.

Você já tá seguindo o Judão no Twitter, Facebook, Google+ e Tumblr?! Pois deveria. ;D